eu-empresa-mentoria-gestão-planejamento-pessoal-1200
Assine para receber em primeira mão nosso conteúdo exclusivo. 
LISTA VIP

O que normalmente acontece com o Planejamento Pessoal

Começo de ano e estava aqui imaginando que você poderia estar passando por alguns perrengues para cumprir com o seu planejamento pessoal para o ano. Então, resolvi contar o meu segredo para fugir da procrastinação, preguiça e falta de confiança.

Afinal, nos enchemos de esperança, fé e força de vontade para preparar um plano para o ano novo que está por vir e é muito frustante quando assistimos ele não se concretizando.

Por um bom tempo, convivi com a baixa efetividade de realização dos meus planos pessoais, muito diferente do que acontecia com meus planejamentos corporativos, que apresentavam excelentes resultados.

Assim, segui frustrada, mesmo sabendo que as pessoas que me cercavam passavam pelo mesmo problema e encaravam como algo normal, já que a vida dá voltas…

Mas…

Acredite! Não desisto fácil das coisas, posso passar anos com uma dúvida e só largo quando resolvo.

Enquanto não tinha nada de concreto, comecei a tratar meu planning da mesma forma que um Plano de Ação corporativo, usando ferramentas como 5W2H e Metas SMART. Isso ajudou, mas não resolveu completamente o problema.

Até que um dia, num curso sobre espiritualidade, totalmente fora do contexto corporativo, o expositor trouxe um conceito que adoto até hoje: dos múltiplos “eus”.

Explicando o conceito dos múltiplos “Eus”

Eu sou uma sequência de “eus”.

Neste instante sou um “eu”, logo em seguida serei outro “eu”. Quanto mais o tempo passa, mais chance do meu do meu “eu” do futuro ser diferente do meu “eu” presente.

As variáveis entre meus “eus” são: meu estado geral, minhas emoções e meu contexto de vida, isto é, o meio onde estou inserida.

Resumindo, cada um de nós é formado por vários “eus”. Em cada momento da vida surge um novo “eu”, com influência emocional direta.

Sendo assim, o meu “eu” que faz o planejamento pessoal, costuma estar muito focado e com os sentimentos controlados, por isso, equilibrado e pouco influenciado por emoções. Sobretudo, encontra-se bastante racional e por isso, ao transcrever o plano, não considera alguns fatores importantes.

Aplicando os múltiplos “eus” no Planejamento Pessoal

O segredo é a aplicação do conceito dos múltiplos “eus”, abaixo considerações práticas para ajudá-lo a aplicar:

  1. O plano será executado no futuro não no momento do planejamento

Quando definimos o objetivo, nosso cérebro funciona como se fossemos executar o plano no momento, com isso desconsiderando que o “eu” que irá receber a tarefa será outro “eu”, diferente do que planejou. Lembro que seria mesmo impossível prever o futuro das nossas emoções, mas temos que estar cientes deste fato, para nos prepararmos e criarmos condições de estímulo futuro.

Por exemplo, brigo diariamente com uma das metas que me comprometi, o sono anda me desafiando. Tenho como meta dormir de 7 a 8 horas por noite, mas minha alma é rebelde e adora trabalhar de madrugada. Por isso, brigo comigo mesma diariamente para que minha “vontade” entenda a importância das horas de sono, sendo que é melhor andar na linha do que ficar doente e não poder trabalhar.

  1. Ao planejar estamos num estado emocional equilibrado

Por isso, nos encontramos otimistas e comumente influenciados por uma condição pontual que nos apaixona.

Certa vez, comecei a escrever diariamente e logo achei que poderia compor um livro. Estava apaixonada pela história e por isso, empolgada. Entretanto, não tinha consciência de que as emoções são passageiras, intensas e duram pouco.

Sendo assim, coloquei a criação do livro como meta daquele período. Porém, já no início do ano havia percebido que para alcançar esta meta precisaria me aprofundar muito mais nos estudos e isso competiria com atividades essenciais, enfim, acabei desistindo no meio do caminho.

No entanto, não desisti, para este ano retomei o projeto, de forma detalhada, com rotinas diárias de estudo, pesquisa, preparação e produção e metas quantitativas e qualitativas. Com isso, devo concluir o projeto em 03 anos, caso novas prioridades não surjam.

  1. O que nos move para construção do planejamento são nossos desejos e vontades

Pois é, desejar e ter força de vontade não gasta energia alguma, apenas constrói os sonhos e metas que serão consideramos no plano. A energia será gasta somente na execução do plano, no futuro.

Agora imagina que delícia planejar, como é gostoso jogar na conta do futuro a realização dos objetivos. Ficamos felizes por antecipação, com a expectativa de alcançar nossas metas sem gastar um pingo de energia.

Chegada a hora concreta da ação, nos damos conta que o prazer real não será imediato, que teremos que construir diariamente, tijolinho por tijolinho, nossas conquistas, por muitas vezes sem perceber o resultado disso tão cedo.

É! Além de persistentes temos que ter muita fé para seguir em frente e colher os resultados futuros, mandar embora a preguiça e a procrastinação, e finalmente convencer a nós mesmos que no final tudo vai dar certo.

A rotina diária me ajuda muito com isso, brinco comigo mesma que foi meu “eu” chefe que definiu as metas e que dependo do meu “eu” executor para cumprir a meta e ter sucesso. Assim, encarno o espírito do “executor” e mãos a obra!

Como exemplo, resumo aqui meu planejamento para voltar a ler de forma consistente mais de um livro simultaneamente, como costumava a fazer para atender distintas metas.  Então, comecei definindo quais os assuntos que pretendia ler, a partir deles defini os livros de leitura obrigatória durante o ano, planejei os horários de leitura e a quantidade de páginas ou tempo dedicado para cada livro. Por fim, incluí estas atividades na minha rotina diária.

  1. Temos a tendência de desejar algo grandioso e genérico

Confesso que desejei coisas como: perder peso, fazer novas amizades, viajar mais, aprender uma nova língua, etc. Afinal, quem nunca?

Porém, o problemas não está em querer estas coisas, mas sim em não sermos específicos. Atualmente desejo coisas como: perder 2 quilos ao longo de no máximo 6 meses, com rotina diária de atividade física, com frequência de 5 vezes por semana, com agendas para circuitos e corridas, alimentação low carb, com exceção apenas em eventos e casa de amigos e familiares, com controle de calorias e nutrientes, ambos, por aplicativo, e assim por diante. Ufa!!!!

Note que defino exatamente o que quero e como vou fazer para chegar lá! Lembre-se, coisas não mudam com intenção, mudam apenas com ação.

  1. No futuro teremos que competir com coisas que nos darão satisfação imediata

Hum… Só hoje vou comer meu doce de leite preferido, isso vai me fazer tão feliz!!! Espera! Tenho meu plano aqui de calorias e nutrientes, como ando com minhas metas?!

Ishi! É… se comer não bato minha meta…

A luta com os desejos imediatos é constante, consciente disso, devemos criar armas que nos ajude a não cair nas armadilhas da tentação. Por isso, a importância de termos claro nossos objetivos e estarmos comprometidos em realizar.

Importante

Inclua no seu planejamento períodos de descanso, sono reparador, meditação e intervalos entre as atividades.

Sou da opinião que temos que entregar sempre mais do que o esperado, porém, garanto que isso não será possível se não deixar o corpo descansar, lembrando que o cérebro faz parte dele.

Pare de subestimar a preguiça, ela vai aparecer, então já comece a pensar em estratégias para driblá-la.

Considere no seu planejamento atividades que lhe dão prazer, mesmo que não tenham nada a ver com seus objetivos principais. Vai precisar de períodos de recreio!

Concluindo, o conceito dos múltiplos “eus” mudou meu mindset, espero ter contribuído para sua reflexão.

Precisando de um método de como construir seu planejamento para 2020? Leia meu artigo para Maria Te Viu:  Planejamento pessoal: por que as realizações ficam distantes do planejado?

Recomendado como apoio: vídeo do Professor Pedro Calabrez –  Por Que Sua Vida Não Vai Mudar?